top of page

AS HISTÓRIAS CLIMÁTICAS QUE O NOSSO MUNDO PRECISA AGORA


À luz do encontro de DAVOS 2024, os olhares de um ex-estrategista político da ONU para Mudanças Climáticas sobre a importância de criar narrativas que conectem soluções disponíveis aos problemas climáticos existentes: “É hora de direcionar intencionalmente nossos esforços para criar e compartilhar histórias do que é possível. Essas são as histórias que podemos escolher contar. E devemos escolher contá-las juntos”.



AS HISTÓRIAS CLIMÁTICAS QUE NOSSO MUNDO PRECISA AGORA

 

ESCRITORES: TOM RIVETT-CARNAC E OLIVER JEFFERS

11 DE JANEIRO DE 2024


Frequentemente, artigos e ensaios como este começam com uma coleta de estatísticas enervantes. A maioria de nós já não precisa disso: as mudanças provocadas pela crise climática tornam-se mais tangíveis com o passar de cada ano. Sentimos o cheiro no ar tingido de fumaça. Sentimos isso nas estações distorcidas.

 

Existimos em um lugar onde todos os problemas do universo estão presentes. E os problemas que temos hoje podem realmente parecer grandes demais para serem superados. Muito vasto para qualquer um de nós fazer alguma coisa. Mas é só isso. Pensamos apenas na inadequação daquilo que sozinhos podemos fazer. Isto ocorre em parte porque, ao longo das últimas gerações, fomos ensinados a pensar em nós mesmos como indivíduos – colocados uns contra os outros para pegar o que pudermos, enquanto pudermos.

Uma sondagem realizada por investigadores das Universidades de Yale e George Mason em Dezembro de 2022 descobriu que quase 70% dos americanos estavam preocupados com as alterações climáticas e 35% descreveram-se como “zangados” com isso. Mas se canalizarmos a nossa raiva para a decisão de prosseguir a mudança transformacional, ela pode infundir-nos significado e possibilidade. Ao avançarmos para a constatação de que nós – tendo inventado todas as formas como vivemos a vida moderna – podemos mudar esses sistemas, podemos, sem dúvida, tornar mais provável um futuro sustentável. Por outro lado, o oposto é verdadeiro. Se acreditarmos que é inútil evitar a catástrofe, essa crença infunde o nosso pensamento, paralisando as nossas decisões. Em outras palavras, se pensamos que não podemos, ou pensamos que podemos, estamos certos.

 

E podemos, porque ao lado de todos os problemas que só existem aqui na terra, também estão, convenientemente, todas as soluções de que necessitamos. Embora muitos de nós discutamos sobre qual versão da história climática é “certa”, outros estão apenas resolvendo silenciosamente a miríade de questões que enfrentamos em termos práticos, uma por uma.

Há uma cena no filme 1917 em que um soldado em uma missão solitária e altamente secreta consegue carona em um caminhão com um grupo de colegas soldados cansados. O caminhão deles fica preso na lama depois de alguns quilômetros. Os soldados exaustos no veículo estão resignados com este destino e aparentemente indiferentes às novas circunstâncias. Mas há uma urgência desesperada e suplicante nos olhos do soldado em missão. Com isso, algo muda: percebendo a importância do momento, apesar de não saberem dos detalhes, a tropa cansada de repente se junta com tudo o que tem para libertar o caminhão. E eles conseguem.

Neste momento, quando se trata de uma verdadeira ação climática, a maioria de nós está presa na lama. Somos os soldados espancados e cansados ​​pelo caos das nossas vidas, sem espaço para caber na dimensão de um problema de dimensão mundial. Sentimo-nos excluídos ou apáticos porque não vemos onde nos enquadramos em qualquer “comunidade climática” ou não sabemos o que poderíamos fazer realisticamente como indivíduos para fazer a diferença. Preocupamo-nos que quaisquer mudanças necessárias no comportamento envolvam um sacrifício, ou que perderíamos prestígio ao trair uma tribo para ir para o “outro lado”. Esses problemas exigem soluções baseadas em histórias.

Este momento na história pode ser o momento em que acionamos o interruptor para mudar de rumo – um momento em que aqueles que têm o privilégio e o arbítrio para fazê-lo decidem que vamos criar uma nova história para hoje: uma história de possibilidade, oportunidade, esperança, empatia e conexão. Uma história que inclui todos. Uma história em que agora é um ponto de virada. Existem centenas, milhões de indivíduos, comunidades, empresas e ativistas corajosos que já moldam um futuro regenerativo. Sair do caminho de seus próprios egos. Talvez você seja um deles! Estas são as pessoas, como o soldado nessa missão, com o brilho nos olhos e os apelos à ação mais sedutores – porque já estão a agir

Os resultados dos seus esforços corajosos são palpáveis. Apesar das muitas manchetes pessimistas, 2023 foi um ano surpreendente para o progresso nas soluções climáticas. A mudança inexorável e exponencial da energia alimentada a combustíveis fósseis para a energia renovável ultrapassou um ponto de viragem positivo. O mesmo se aplica à mudança de motores de combustão interna para veículos eléctricos. Ambos são histórias de sucesso que marcaram uma época para a saúde humana e planetária. Existem soluções ao nosso redor. O que o mundo precisa é de uma urgência coletivamente acordada que celebre a nossa capacidade de colaboração. Com isso vem um propósito renovado.

Se enraizarmos o nosso desespero nas alterações climáticas, então devemos enraizar as nossas esperanças nas suas soluções. É hora de nos esforçarmos intencionalmente para criar e compartilhar histórias sobre o que é possível. Histórias que revelam os aspectos mais extraordinários da humanidade: compaixão, bondade, engenhosidade e criatividade. Estas são as histórias que podemos escolher contar. E devemos escolher contá-los juntos.




11 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Comments


bottom of page